|
|

Aprenda como a estratégia Yale pode te ajudar a investir melhor

Uma das principais premissas para quem deseja alcançar bons resultados com investimentos é diversificar a carteira. Conheça a estratégia de Yale.

Compartilhe

Uma das principais premissas para quem deseja alcançar bons resultados com investimentos é ficar atento à diversificação de carteira. Existem alguns tipos de estratégias diferentes, e,  dentre elas, o investimento em alternativos atua como uma das principais. Nos Estados Unidos, um dos grandes marcos responsáveis por evidenciar a necessidade de diversificação nessa classe de ativos consistiu no sucesso da gestão do fundo de pensão Yale, comandado por David Swensen. 

O que são fundos de endowment: são fundos patrimoniais de instituições não-governamentais, criados a partir da contribuição de doadores, neste caso, ex-alunos da Universidade de Yale, com o objetivo de dar suporte à instituição.

Este blog vai te ajudar a entender: 

  1. A relevância da estratégia Yale
  2. Por que a estratégia Yale é referência?
  3. Qual a importância do private equity nessa estratégia?
  4. Como investir neste modelo através da DXA Invest?

  • A relevância da estratégia Yale 

Amplamente considerada como uma das mais bem-sucedidas e influentes estratégias de investimento de longo prazo, o investimento em alternativos, adotado com pioneirismo pela Universidade de Yale, se baseia em premissas de diversificação, com ênfase em ativos que vão além de ações e títulos.

Dentre os principais motivos que a tornam relevante, pode-se destacar o acesso a oportunidades de negócios exclusivas e o potencial para retornos mais altos no longo prazo do que os investimentos tradicionais, com menor risco. 

Isso porque, uma vez que a rentabilidade de curto prazo não é prioridade, é possível aproveitar os benefícios de ativos de longo prazo que se encaixam na estratégia, inclusive os ilíquidos, como venture capital e private equity

Assim, essa estratégia não apenas fornece maior proteção contra flutuações econômicas de curto prazo, mas também contribui para a estabilidade financeira futura, sendo imprescindível para a otimização e balanceamento de risco e retorno de um portfólio.

  • Por que a estratégia Yale é referência?

O objetivo dessa tática é obter rendimentos acima da média, com uma alocação de capitais focada no longo prazo e com menor volatilidade.  A partir dela, e alocando 55% de seus investimentos em ativos privados e quase 80% em alternativos, o fundo de Yale foi capaz de aumentar seu patrimônio de US$ 1,3 bilhão em 1985 para US$ 31,2 bilhões em 2020 e US$ 42,3 bilhões em 2021.

Em 2021, o endowment da Universidade de Yale - atualmente o terceiro maior dos EUA - estava dividido da seguinte forma: hedge funds (23.5%), venture capital (23,5%), private equity (17,5%), equity externo (11.75%), mercado imobiliário (9,5%), títulos e cash (7,5%), recursos naturais (4,5%) e equity doméstico (2,25%). Com isso, a mesma foi capaz de ultrapassar seus rivais em termos de rendimento do fundo na última década. 

  • Qual a importância do private equity nessa estratégia?

Na estratégia de Yale, os ativos privados, como private equity e venture capital, desempenham um papel importante na criação de um portfólio diversificado e de baixo risco. Como mencionado, esses tipos de investimentos são considerados alternativos por serem negociados fora da bolsa de valores e, por isso, são pouco afetados pelas flutuações dos mercados financeiros.

O private equity, por exemplo, normalmente se concentra em investir em empresas de capital fechado fora da bolsa de valores, geralmente com o objetivo de melhorar a performance dessas companhias e prepará-las para uma futura venda ou entrada na bolsa.

Use o tempo como seu aliado: os investimentos privados podem oferecer retornos mais consistentes ao longo do tempo, o que pode ser atraente para os investidores que buscam estabilidade.

As estatísticas não mentem: uma carteira composta apenas de privados alcançou um retorno de 509%, comparada à outras estratégias de diversificação, como a 60/40, com ações (60%) e títulos (40%), 50/30/20, com ações (50%), títulos (40%) e privados (20%) e a 40/30/30, também com ações (40%), títulos (30%) e privados (30%), que registraram lucros de 336%, 377% e 380%, respectivamente.

  • Como investir neste modelo através da DXA Invest?

A DXA Invest, a primeira gestora fintech de private equity e venture capital do Brasil, possibilita aos investidores terem acesso a uma diversificação em privados única, com diferentes teses e mercados, tendo transparência em todo o processo e uma experiência exclusiva de pós investimento. Você conta com uma carteira administrada personalizada para o seu perfil de investidor, que equilibra as porcentagens de alocação das companhias ideais para seu portfólio.

Criar carteira administrada

Publicado por Equipe DXA Invest

Agradecemos pelo interesse! Entraremos em contato em breve.
Não foi possível enviar! Por favor, tente novamente.
PT