|
|

Os benefícios e riscos de investir em private equity e venture capital

O mercado de privados oferece algumas modalidades de investimento distintas. Além do private equity e venture capital, há o equity crowdfunding, por exemplo.

Compartilhe

O mercado de privados oferece algumas modalidades de investimento distintas e variadas. Além do private equity e venture capital, há também o equity crowdfunding e o investimento anjo, por exemplo. Como qualquer investimento, existem benefícios e riscos para cada caso, que devem ser analisados de acordo com o perfil do investidor e o tipo de diversificação de portfólio.

 Aprenda agora: 

  1. Qual a diferença entre private equity e venture capital?
  2. Os benefícios de investir em private equity e venture capital
  3. Os riscos do private equity e venture capital
  4. Estratégias para investir em private equity e venture capital
  • Qual a diferença entre private equity e venture capital?

O private equity é um tipo de investimento que envolve a compra de uma participação em uma empresa já estabelecida e consolidada no mercado, e é normalmente voltado para a economia real. Já o venture capital busca apoiar o crescimento de startups em estágio inicial, geralmente voltadas para o mercado tech. Neste caso, o objetivo é investir em uma empresa promissora e ajudá-la a crescer, a fim de obter um retorno significativo a médio ou longo prazo.

Aprenda com mais blogs: 

Números astronômicos: até 2026, o mercado de private equity e venture capital tem potencial para alcançar US$11,12 trilhões em ativos sob gestão, de acordo com a consultoria britânica Preqin. Com o ecossistema de tecnologia e inovação cada vez mais avançado, os investimentos em ambas modalidades têm atraído mais atenção de investidores individuais e institucionais. 

  • Os benefícios de investir em private equity e venture capital

Existem algumas vantagens relevantes que se destacam nos investimentos em private equity e venture capital. Ambos têm o potencial de altos ganhos no longo prazo e são ótimas opções de diversificação para um bom portfólio de investimentos. Tanto o private equity, quanto o venture capital, são negociados fora da bolsa de valores, logo, choques de curto prazo, em geral, não têm grande influência nos resultados finais desses investimentos. 

Costume no exterior: a prática de investir em private equity já é amplamente difundida entre investidores de alto padrão. Segundo o Survey of Consumer Finances, esses clientes destinam em média cerca de 25% de seu patrimônio em negócios. Além disso, de acordo com o UBS, os family offices em todo o mundo alocam, em média, 35% de seu capital em investimentos privados, como private equity e venture capital.

  • Os riscos do private equity e venture capital

Embora investir em private equity ou venture capital possa trazer retornos expressivos em longo prazo, é importante ressaltar que esses investimentos também envolvem riscos significativos. Um dos principais riscos é a falta de liquidez, já que esses investimentos costumam ter prazos de maturação mais longos, o que significa que o dinheiro investido pode ficar "preso" por vários anos. 

Leia mais: 

Além disso, investir em startups e empresas em fase inicial de desenvolvimento também pode ser arriscado, já que essas companhias podem ter dificuldades para crescer ou até chegar a falir. É importante também destacar que os investimentos em private equity e venture capital exigem um conhecimento mais aprofundado do mercado, o que pode ser um desafio para investidores menos experientes. Por isso, é fundamental avaliar cuidadosamente os riscos envolvidos antes de investir em um fundo de private equity ou venture capital, ou ainda em uma startup.

  • Estratégias para investir em private equity e venture capital

Como ressaltado anteriormente, o private equity ou venture capital podem ser uma ótima opção para otimizar a estratégia de diversificação de um portfólio. Esses investimentos se destacam especialmente pela possibilidade de proporcionar altos retornos ao longo dos anos.

Quando alocados em uma carteira, o risco da mesma é mitigado e, ao mesmo tempo, o investidor ganha a chance de lucrar exponencialmente a partir do crescimento de empresas que tenham alto potencial de valorização.

Uma boa inspiração de diversificação é o portfólio 60/40 adaptado, onde a tradicional divisão entre ações e renda fixa é trocada por 15% a 20% em private equity ou venture capital, por exemplo, nos 60% reservados para ações. 

Conheça a Estratégia Yale: ela tem como meta alcançar rendimentos acima da média, por meio de uma alocação de capital direcionada para o longo prazo e com menor volatilidade. A partir dessa abordagem, e com alocações de quase 65% em ativos privados (hedge funds- 23,5%, venture capital- 23,5% e private equity- 17,5%), o fundo de Yale conseguiu aumentar seu patrimônio de US$ 1,3 bilhão em 1985 para US$ 31,2 bilhões em 2020 e US$ 42,3 bilhões em 2021, de acordo com a própria Universidade.

Para oferecer um experiência exclusiva aos investidores, a DXA Invest, pioneira no Brasil como gestora fintech de private equity e venture capital, proporciona uma oportunidade única de diversificação em empresas privadas, com diversas teses e mercados, além de transparência em todas as etapas do processo e uma experiência de pós-investimento exclusiva. 

Comece a investir agora. Crie sua carteira administrada. 

Através da DXA Invest, é possível contar com uma carteira administrada personalizada, ajustada ao perfil de investidor, que equilibra as alocações em diferentes companhias para compor um portfólio ideal.

Publicado por Equipe DXA Invest.

Agradecemos pelo interesse! Entraremos em contato em breve.
Não foi possível enviar! Por favor, tente novamente.
PT