|
|

Venture capital na américa latina: entenda o potencial tecnológico dessa região

Investidores de venture capital estão focando suas atenções aos países latino-americanos, pelo potencial de suas tecnologias disruptivas.

Compartilhe

A América Latina é, atualmente, uma das principais regiões que se destacam como um polo de inovação ao redor do mundo, muito visado por investimentos de private equity e venture capital

Após a pandemia do Covid-19, que serviu como um catalisador para as transformações digitais, muitos setores e empresas se desenvolveram com mais velocidade no âmbito tecnológico. 

Com isso, os investidores de venture capital mais ligado à tecnologia – voltaram suas atenções para os países latino-americanos e suas tecnologias disruptivas. 

Entenda mais sobre venture capital e tecnologia nos conteúdos abaixo: 

  1. O que é e como funciona o venture capital?
  2. Venture capital e a inovação na América Latina 
  3. A ascensão das startups latino-americanas
  • O que é e como funciona o venture capital?

Em linhas gerais, o venture capital é um investimento privado que busca empresas jovens, com alto potencial de crescimento, geralmente mais ligadas à tecnologia. 

Mais comuns em startups, os investimentos em venture capital são escalados em rodadas, como seed, série A, série B, série C e assim por diante, de acordo com a maturidade da companhia

Conteúdos recomendados: 

Venture capital no Brasil em 2023: as startups brasileiras captaram US$ 778,1 milhões nos primeiros seis meses do ano, de acordo com um levantamento da Distrito, plataforma que conecta soluções para empresas em estágio inicial. 

O venture capital não visa apenas prover o aporte financeiro nessas empresas, mas também busca dar suporte estratégico e contribuir para a criação de valor da mesma. Esse investimento acontece por meio de fundos ou de forma direta.

  • Venture capital e a inovação na América Latina

Como foi comentado brevemente no início deste blog, a América Latina tem testemunhado avanços importantes na incorporação e adoção de novas tecnologias.

O cenário brasileiro de venture capital, por exemplo, tem sido um ponto de virada para setores como e-commerce, saúde e, principalmente, mercado financeiro, através de iniciativas como o open finance e open banking, que têm fortalecido esse progresso.

Explore mais o mercado privado:

O setor financeiro, ou de fintechs, consegue grande destaque porque é capaz de resolver uma dor muito latente dos consumidores, já que a região apresenta importantes gargalos a serem preenchidos e ineficiências a serem otimizadas. 

  • A ascensão das startups latino-americanas

Ainda sobre as fintechs brasileiras, precisamos falar do Nubank. Onde, até recentemente, cinco grandes instituições bancárias detinham cerca de 80% do mercado, o banco digital prosperou ao abraçar a desburocratização, a digitalização e a democratização do sistema bancário, resultando na inclusão financeira de milhares de indivíduos.

Em 2023, o Nubank já contabiliza mais de 80 milhões de clientes – um aumento de aproximadamente quatro vezes em relação a 2020. Além disso, conquistou a posição de quarto maior em número de clientes no Brasil, superando até mesmo algumas instituições bancárias tradicionais.

Leia antes de sair:

Alguns fundos de venture capital que apostaram no potencial disruptivo do Nubank e injetaram capital, foram a Sequoia Capital, Kaszek Ventures, Tiger Global Management, QED Investors, entre outros. 

Assim, as startups – e seu potencial tecnológico – desempenham um papel crucial e constituem um pilar fundamental para fomentar a inovação, acelerar o avanço econômico e a geração de soluções disruptivas – principalmente em segmentos onde os obstáculos se mostram mais proeminentes, como é o caso do setor financeiro.

Diversifique seus investimentos em venture capital

Publicado por Equipe DXA Invest.

Agradecemos pelo interesse! Entraremos em contato em breve.
Não foi possível enviar! Por favor, tente novamente.
PT